A arte da escuta



Num mundo tomado por vozes que denunciam, combatem, suspeitam..., quem quiser sair ileso ou, quando muito, sofrer um abalo mínimo, precisará resgatar a arte da escuta, assim entendida aquela capacidade quase esquecida de ter consciência do que se ouve.

Lembro-me de que ainda na infância ouvia atentamente os adultos, que em sua sabedoria marcada pela humildade e mesmo pela dificuldade de acesso a recursos, diziam coisas como: se fosse para falar mais, em vez de ouvir, não teríamos nascido com apenas uma boca...

É claro que nem todos souberam ser mestres de si mesmos, mas é difícil discordar do valor desse tipo de lição, pois quem insiste em ouvir às pressas corre o risco de padecer num deserto de contradições, quando não de mentiras, perdendo de vista os oásis cada vez mais raros em nosso dia a dia.

Ou seja, se reabilitarmos a capacidade talvez ignorada, quando não perdida, de escutar atentamente, conseguiremos discernir dentre tais sons aqueles que, de fato, poderiam nos estimular ao bem, tanto o nosso quanto o comum, pois o contrário implicaria em desperdiçarmos outro de nossos preciosíssimos potenciais: a autodeterminação.



Veja mais